O dilema do prisioneiro

E eu, que sempre me julguei tão livre, acabo por ser prisioneira da minha própria mente, em minha própria casa. Seja frente a frente, seja a 1.000km de distância, cá estou eu ponderando o que achariam “certo”, o que os agradaria. Ou melhor: o que os deixaria menos decepcionados comigo.

Desconfio que nunca ter sido a filha ideal provocou essa necessidade em mim. Ouvir insinuações de que eu faço tudo errado, que não sou capaz, que não sei decidir o que é melhor para mim tenha se enraizado no meu ser… e me tornado exatamente isso que ouvi.

E cá estou eu: presa. Paralisada. Perdida.

Surda para as reivindicações que faço, pois eles não me ouvem, e eu não me ouço.

Se não escuto, é mais fácil cômodo me calar.

Minha cara, não é nada fácil. Pelo contrário, é vergonhoso. É doloroso sentir-se incapaz de decidir o rumo da própria vida, de fazer a menor das tarefas, pois afinal, eles sentem-se no direito de realizar tudo isso por mim.

Sinto-me uma farsa, incompetente, trancafiada num quarto que está a 1.000 km de onde moro. Sinto-me um cachorro sendo puxado pela coleira colocada há 22 anos (quase 23).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s