Permaneço inerte num estado que oscila entre a mais bela apreciação da mudança e entre o pesar de não conseguir enxergá-la.

Contemplo momentos já passados, seja numa infância risonha, seja nas férias na China, em que eu respirava meu puro ser. Em que a preocupação com o futuro não se fazia presente, pelo menos não na forma sufocante como hoje…

No entanto, sinto em meus ossos a benção de que tudo muda ao mesmo tempo em que fico em prantos devido à essa inevitabilidade. ff

Busco um padrão para as mudanças, mas, não tendo vivido – ou pelo menos percebido – as transformações que ocorrem na vida, ainda não consigo discernir. Na verdade, busco padrões para tentar manter o controle – e a calma. Parece que ainda não aceitei plenamente a falta de controle.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s